Ginjal e Lisboa

Ginjal e Lisboa

05 fevereiro, 2013

Venho de dentro, abriu-se a porta


Dedico esta história a todas as meninas e meninos que estão para aí feeling blue.



Escuta, menina que aí estás aí, e tu também, menino: escutem, vou contar-vos uma história.


Era uma vez um homem que parecia normal e que vivia sozinho. E era uma vez  uma mulher que também parecia normal e que vivia numa torre triste num local longínquo.

A mulher era muito bonita, sabia histórias muito bonitas, escrevia palavras muito bonitas - e, portanto, afinal não era uma mulher nada normal - mas vivia fechada na sua torre e poucas pessoas podiam ouvir o que dizia. 

O homem era também muito bonito mas também não era nada normal. Era um sonhador solitário. Tinha por única companhia um ganso emplumado.

O homem bonito e sonhador não sabia da existência da mulher bonita e solitária nem ela sabia da existência dele.

Até que um dia a mulher abriu a porta e desceu pelos caminhos das montanhas, atravessou trovoadas, nuvens pesadas, raios e trovões, campos floridos, searas ondulantes, ruas, cidades. Diz quem a viu passar que vinha com a mãe pela mão e vinham conversando, rindo, e a mulher era outra vez uma menina alegre e a mãe era outra vez uma mulher que adorava caminhar e dançar e ver o sol. Vinham as duas, contando histórias uma à outra, e mediam os passos pelas horas do sol e nem davam pelo cair da noite. A mulher bonita dizia à mãe, mãe, vamos ver o mar que eu quero respirar a maresia, quero sentir a areia nos pés quando raiar a manhã.

Nesse dia o homem também saíu de casa, e de cabeça baixa, sem saber para onde os passos o levavam, começou a caminhar. Atrás dele seguia o silencioso ganso. E o homem dizia como se falasse com o ganso, venho de dentro de mim, venho para ver o nascer e o pôr do sol junto ao rio, e quero sentir como soa a minha voz quando a soltar junto às imensas águas.

E, sem saberem, caminhavam um para o outro. A mulher com a sua mãe, o homem com o seu ganso.

Encontraram-se ao fim do dia e, sem que antes se tivessem visto, reconheceram-se de imediato. A aragem soprava e as penas do ganso revolteavam-se, alegres. A mãe disse, as minhas pernas já não são o que eram dantes, sento-me aqui ao pé do ganso que tem ar de ser inteligente e bem disposto

E, então, a mulher e o homem deram-se as mãos e juntos olharam o horizonte e ele disse, gosto tanto de ver o sol quando ele se põe a poente. Gostava de ficar aqui consigo, a noite toda, deixarmo-nos ficar  até que ele nasça a nascente. A mulher riu e disse, olha, dois pleonasmos quase de seguida. E ele riu e disse, até que enfim alguém que me alerte para os pleonasmos, o ganso deixa-os passar a todos. A mulher riu e disse gosto de homens que me façam rir.

Depois ele afastou-lhe do rosto o cabelo que o vento despenteava, abraçou-a e disse, o meu corpo era um labirinto no qual eu me perdia. E ela respondeu, há uma mansidão na minha pele, sinta-a antes que  toda ela fique uma convulsão.

Beijaram-se e era como se toda a vida tivessem esperado um pelo outro. O homem disse então, havia uma sombra sobre o meu coração mas senti que ela acabou de voar. A mulher disse, pois foi, via-a desprender-se de si. Mas foi para longe. 

De longe, a mãe olhava-os e sorrindo disse ao ganso, e nós? vamos ficar aqui a segurar a vela? nem pensar. Estou cheia de fome. Por aqui onde é que se come?

E então o ganso sacudiu as penas e pôs-se a andar. A mãe levantou-se e foi atrás dele. Depois, de longe, olhou para trás e disse para o ganso, olha, que engraçado, estão os dois envoltos em luz e que lindos são, foram feitos um para o outro.

Como estava longe não o ouviu dizer à filha, vamos sair daqui, a luz do candeeiro é muito indiscreta. E ela sorriu, puxou-o pela mão e disse, venha que eu quero sentir a areia em toda a pele do meu corpo.

E foram muito felizes, tanto, tanto, tanto que era como se tivessem sido felizes desde sempre. E logo souberam que o seriam para todo o sempre.



[Abaixo do homem sonhador, um poema de Luíza Neto Jorge e, logo a seguir, mais uma grande interpretação ao piano de Richter, desta vez intrepretando Haydn]



Homem e ganso no Ginjal



                                              Venho de dentro, abriu-se a porta:
                                               nem todas as horas do dia e da noite
                                               me darão para olhar de nascente
                                               a poente e pelo meio as ilhas.

                                               Há um jogo de relâmpagos sobre o mundo
                                               de só imaginá-la a luz fulmina-me,
                                               na outra face ainda é sombra

                                                Banhos de sol
                                                nas primeiras areias da manhã
                                                Mansidões na pele e do labirinto só
                                                a convulsa circunvolução do corpo.



['Venho de dentro, abriu-se a porta...' de Luíza Neto Jorge in ´poesia']


17 comentários:

  1. Olá UJM!

    Belíssimo texto o seu!!!
    Como diz um seu leitor gostei ...e muito!
    Faz bem ao "âmago" lê-lo!!!

    Obrigado e um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, ainda bem que gostou...!

      Eu também gostei de o escrever. Quando escrevo coisas assim só me apetece continuar, continuar, tudo na boa, tudo peace ando love com sorrisos à mistura. Estava a ouvir o Richter a tocar o Haydn e, com música, o clima fica ainda melhor.

      Só desejo que quem esteja com alguma solidão ou tristeza, ao lê-lo, se sinta depois contagiado pelo ambiente de afecto e leveza.

      Muito obrigada, eu, pela presença aí desse lado e pelas palavras sempre tão boas de ler.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Prosa, imagem,poesia,

    que adjuvante trio para afastar o cinzento do dia!


    A.de Sá, indefectível:

    "Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen" (Natália Correia)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana de Sá,

      Ámen.

      Muito obrigada e um abraço!

      Eliminar
  3. "Um amigo é às vezes o deserto,
    outras a água."
    (Eugénio, in Branco no Branco)

    As suas palavras foram uma autêntica cascata de água pura, fresca, optimista.
    Lavaram a minha cabecita cheia de ideias tristes e a minha alma cheia de sentimentos negativos.

    Sinto-me mais leve, mais fresca, mais feliz, enfim a brand new girl!
    E agora vou à procura do homem do ganso... LOL

    Beijo enorme.

    Antonieta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Antonieta,

      Gostei muito de ler o que escreveu e se, nem que apenas por momentos, consegui que se sentisse um pouco mais leve e feliz, já me sinto recompensada... e muito.

      Obrigada e boa sorte com o homem do ganso.

      Um beijinho.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Olá Menina das Historinhas,

      E eu gostei muito e muito de saber que a minha historinha lhe mereceu essa observação.

      Ia a dizer 'beijocas' mas não digo para não pensarem que nos conhecemos.

      Eliminar
  5. Da sensibilidade e da imaginação.
    Muito bonito.

    :)

    ResponderEliminar
  6. Muito bonitos: o texto, o poema, o homem com ganso, a música.

    Generoso conselho, a porta a brir-se.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Leitora Fantástica,

      Abrir a porta de si próprio, sair pelo mundo, procurar o amor através das palavras: não sei dar muitos conselhos mas este sei eu que é infalível.

      Um abraço!

      Eliminar
  7. Este seu cantinho é uma lufada de ar fresco, um renovar da fantasia, dos desejos, dos sonhos. Muito bonito o conto, como aliás muitos outros.
    Quero oferecê-lo mas não consegui partilhar.Vou tentar imprimir.
    Obrigada e um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pôr do Sol,

      Aqui eu escrevo com leveza no coração e mãos muito livres. Escrevo tal como as palavras me descem aos dedos.

      Vou ver se consigo descobrir uma coisa que se põe nos textos aqui nos blogues e que dê para partilhar.

      Obrigada eu, Sol Nascente, e um beijinho!

      Eliminar
    2. Já incluí uma opção que faz com que, no final de cada mensagem, apareçam um envelope e os símbolos do facebook e outras coisas. Deve ser isso que vai permitir que se partilhe. Se não for, diga-me, está bem?, que eu procuro melhor.

      Eliminar
  8. Só uma pessoa com um coração tão sensível e sábio pode dar conselhos tão 'infalíveis': Abrir a porta e deixar entrar o amor, através das palavras e da música.
    Muito bonita a história, onde não podia faltar o elemento animal...o ganso amigo e companheiro do homem solitário à procura da felicidade.
    Um beijinho e obrigada.

    ResponderEliminar
  9. Maria Eduardo,

    Gosto de escrever coisas que incluam algum humor, alguma impossibilidade. Nem sempre as palavras vão para este lado mas, quando vão, eu fico muito contente.

    Um beijinho!

    ResponderEliminar