Ginjal e Lisboa

Ginjal e Lisboa

08 dezembro, 2013

Trago assanhada a veia da poesia. Respinga como um falo escandecido, gotas de sémen, poluindo tudo em redor.


Poeta doido com as palavras descontroladas, a tensão elevada, a poesia correndo livre nas veias, e a alegria e a sombra de juntar sons, experimentar caminhos, dangerous liaisons, um desenho, uma frase, uma música, uma flor ou um som, um passo ou um silêncio, o arranhar de porta, um gato que se adivinha, uma escada secreta, labirintos, uma boca que beija, uma língua que se entrega para um tango molhado, um falo que se ergue, uma porta que se abre, um corpo que se oferece, e o sémen que avança como um rio e gritos e luz e toda a vida. E os sussurros, e os recomeços, e as hesitações, e as mãos abertas. E os corações fechados, e a dor, tanta dor, e o sangue, e a solidão, e a amargura, e as lágrimas, e apenas as raízes. E tudo, tudo, tudo. A vida toda. Dentro de um poema.


[Abaixo da pintura na parede, um poema divertido do novo livro de A.M. Pires Cabral e, mais abaixo, Fernando Pessoa na voz de Mariana Lucía]


'Somos todos gregos' - Parede num edifício arruinado no Ginjal


                                         Trago assanhada a veia da poesia.
                                         Respinga como um falo escandecido
                                         gotas de sémen, poluindo
                                         tudo em redor. Uma vergonha.

                                         Mas enfim, do mal o menos:
                                         sempre é melhor trazer a poesia
                                         assanhada do que ter, por exemplo,
                                         a aorta dilatada.


['Do mal o menos' de A. M. Pires Cabral in 'Gaveta do Fundo']


2 comentários:

  1. O coração resiste bem ao erotismo à flor da palavra: Já à flor da pele, depende...
    Um belo poste.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando as palavras dos poemas têm uma vida muito própria, soltam-se e não as consigo domesticar.

      Um abraço!

      Eliminar