Ginjal e Lisboa

Ginjal e Lisboa

20 novembro, 2013

Um desejado e incalculável precipício


Precipício ou planície, não sei dizer. Simetria ou assimetria. Sintonia ou contraste, não sei. Não é importante. Palavras. 

Palavras só as que não tiverem arestas, as suaves, as sentidas.

Importante é a convergência do olhar, as mãos dadas, um sorriso partilhado.

Amor. Incalculáveis abismos, sonhos, desabafos. Desejo. Amor para sempre nem que caiba num único breve instante. 




[Abaixo do casal que avança sobre o rio, um poema de João Vasco Coelho sobre o amor e, logo a seguir, a beleza da Estrela do mar nas vozes de Jorge Palma e Cristina Branco]



Sobre o Tejo, no Ginjal, de frente para Lisboa



                                                              Todo o intervalo
                                                              em que fomos certos
                                                              e uma simetria de pérola no riso,
                                                              foi o amor,
                                                              penso que é assim que se diz
                                                              um desejado e incalculável precipício.


['Life is too long, when you're lonely' de João Vasco Coelho in 'Na ordem do dia']


Sem comentários:

Enviar um comentário