Ginjal e Lisboa

Ginjal e Lisboa

11 outubro, 2013

como se ouvisse enfim a língua mais oculta


De onde vem este grito que se eleva das águas? De que lonjuras? Grito, lamento, evasão, desafio, não sei.

Olho e vejo o rio muito azul, uma rocha saindo das águas e, em cima, como um anjo pousado numa varanda, uma gaivota. 

Mas talvez não seja uma ave do mar mas mesmo um anjo branco, um arcanjo daqueles que debica os seios das sereias.

Da minha janela vejo as grandes asas brancas do arcanjo, ouço os seus gritos de luxúria. Sei que atravessou montes e vales, já encontrei arcanjos quase iguais noutras paragens. Trazem consigo segredos estranhos, confidências, falam línguas ocultas.

Olho o pássaro branco, o misterioso arcanjo, que espera sobre as águas, sei que não tarda vai levantar voo, vai atravessar o espaço, num instante estará aqui perto de mim.

Penso nisso e instintivamente cubro os seios. Sou agora uma mulher na varanda de uma casa perto do céu, uma mulher nua com os longos cabelos cobrindo os tímidos mamilos. Que segredos me irá ele contar ao ouvido naquela sua língua desavergonhada?



[Abaixo do arcanjo pousado sobre o Tejo, um invulgar poema de Luiza Neto Jorge. Logo a seguir mais um grande momento: Kate Aldrich e Daniela Dessì interpretando Norma de Bellini.]




Gaivota sobre as rochas de uma praia no Ginjal, sobre o Tejo



                                                  Canta-me ave
                                                  arcanjo
                                                  com o bico puxa
                                                  a farpa que desponta
                                                  do meu cérebro

                                                  Por montes e vales
                                                  transmigre o canto
                                                  e quem o escute
                                                  se sinta
                                                  recompensado
                                                  revulsionado
                                                  como se ouvisse enfim
                                                  a língua mais oculta


                                                  ['A lume' II de Luiza Neto Jorge in poesia]

Sem comentários:

Enviar um comentário