Ginjal e Lisboa

Ginjal e Lisboa

01 julho, 2013

olhas para cima ou para a ponta de uma chama como se por aí te chegasse, quase intacta, a asa de todas as palavras


E se fosses para lá do fim do rio? E se fosses para o outro lado do mundo? Do lado de lá do oceano há pássaros de mil cores, flores intensas, uma energia alegre e festiva e, embora o céu seja o mesmo, as estrelas brilham com uma luz que chega do futuro. Queres tanto fugir do frio que alastra dentro de ti, queres tanto.

Olhas o navio que passa, e se fosses com ele?, e recordas as sombras do passado, sentes que a luz se vai progressivamente apagando, e a cidade mal se ilumina, as chamas estão a morrer.

Recordas outros tempos, longínquos tempos, em que o teu coração batia de amor, e que todos os sonhos eram alcançáveis. Agora  o teu rosto mostra esse constante frio que se abate sobre ti e, se recordas dias de ternura e calor que ficaram presos nas teias de uma vida que não se cumpriu, o teu corpo ainda mostra que está vivo, ainda se ouve o teu coração.

Olha, pois, para cima. Deixa que o teu olhar procure um sinal, deixa que as asas se soltem do teu coração e levem as tuas palavras até quem delas toda a vida esperou.



[É um Poeta novo e que eu desconhecia que hoje chegou até mim, Emanuel Jorge Botelho. Que seja muito bem vindo que a beira do rio é sítio próprio para acolher as palavras com asas que se soltam do peito dos Poetas. A seguir uma grande interpretação: Pavel Sporcl com o seu violino interpreta Dvorak]


Em Cacilhas, olhando um navio que cruza o Tejo, Lisboa envolta em neblina logo atrás



                                                         os dias eram um
                                                         grande clarão de vinagre,
                                                         vê-se no teu rosto,
                                                         ardido de ir morrendo
                                                         sobre um chão raso de aspas.

                                                         olhas para cima
                                                         ou para a ponta de uma chama
                                                         como se por aí te chegasse,
                                                         quase intacta,
                                                         a asa de todas as palavras.

                                                         há tanto frio no traço que te deram,
                                                         e até se ouve o teu coração.



['Retrato de Jean Genet por Leonor Fini, em 1950' de Emanuel Jorge Botelho in Telhados de Vidro Nº18 de Maio de 2013]

Sem comentários:

Enviar um comentário